Você, como “Deus” ou seu Ser Maior, segura o mundo em seus braços e suas mãos.

Veja por si mesmo ao realizar este pequeno experimento:

Mantenha os braços bem abertos e um pouco à frente do seu corpo de maneira que você consiga ver suas mãos com os cantos dos olhos enquanto olha para a frente. Seu campo de visão pode ser o quarto em que você está, a vista da sua janela, o mar aberto, a vista de uma cidade à distância. Seja qual for a visão, você a tem em seus braços. Dependendo da sua visão, seus braços são tão amplos quanto a sala ou a cidade distante. Você está abraçando o mundo com seus braços.

Na minha experiência, a bela verdade nesse exercício é o fato de que estou muito aberto para o mundo. Após o exercício, posso voltar a fingir que sou um indivíduo separado, fechado para o mundo, mas isso não muda a verdade: estou sempre aberto para o mundo.

Para mim, minha conexão com o mundo muda quando vejo meu verdadeiro relacionamento com ele. Quando seguro a sala, a cidade ou as imagens que vejo no laptop em meus braços, já não estou separado do que vejo. Faz diferença experimentar a união dessa maneira? Tente fazer o exercício e veja o que muda para você. Talvez você tenha uma experiência profunda, talvez seja algo não muito significativo. Todos nós experimentamos a verdade de maneiras diferentes.

Ao escrever este texto, tive uma visão em minha mente com pessoas sentadas na frente de suas televisões ou laptops com os braços abertos, não mais imaginando que são observadores independentes das imagens na tela, mas recebendo intimamente aquilo que é dado.

Além disso, ao pensar neste texto, uma música de minha infância surgiu em minha mente: “Ele tem o mundo inteiro em suas mãos”. Uma fonte diz que essa música foi escrita na Segunda Guerra Mundial por Obie Philpot, um índio cherokee. A letra da música é geralmente interpretada como se alguma identidade masculina – Deus – fosse o protetor do mundo. Minha experiência é que “eu tenho o mundo inteiro em minhas mãos” e, portanto, para mim, “ele” na música se refere a qualquer pessoa – homem ou mulher – que esteja aberta para ver o que é verdadeiro para si.

Convido você a parar de imaginar que você está à parte e separado do mundo. Entre em contato com aquilo que é verdadeiro para você e, talvez, você veja que está sempre segurando o mundo em seus braços amorosos, especialmente quando o mundo está sofrendo.

James Kelly
Jogo Miracle Choice
Tradução: Juliana Kurokawa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *