Faz anos que sou uma amante do café. Além do seu sabor, sempre gostei da ideia charmosa e aconchegante em torno dele. Pelo menos, era assim que eu o interpretava e o experienciava até algo inesperado acontecer. No final do ano passado, quando estava de férias no Brasil, tive um sonho muito nítido onde eu estava passando por um tratamento espiritual e, no final da sessão, o médium me disse num tom bem humorado: “Acho que você já sabe o que vou te dizer e não vai gostar muito, né?”. E eu sabia mesmo, sabia que ele ia me dizer que eu tinha que parar de tomar café! Após essa realização interna, ele então finalizou confirmando: “Você deve tirar o café completamente da sua vida para potencializar a sua conexão espiritual”. Sério?? Essa não!

Acordei logo em seguida e, por ser um sonho tão forte, claro e fresquinho, comecei a contar para o James e meus filhos. Sentamos para tomar café da manhã e, como de costume, eu com a minha querida caneca de café. Ainda estava digerindo o sonho, brincando com a ideia, não a recebendo literalmente. O James e as crianças então me desafiaram perguntando se aquela talvez fosse minha última xícara de café. Eu dei risada, disse que talvez, mas sem na verdade querer que fosse. A minha filha não se conteve e até tirou uma foto para registrar esse “momento histórico”.

Nesse mesmo dia, saímos para almoçar na Vila Madalena e caminhamos um bom trecho para apreciar o bairro debaixo de um sol de 30 graus. Comecei a passar um pouco mal, a cabeça queimando. Achei que fosse o calor. Quando chegamos no restaurante, já estava meio zonza. Depois de fazer o pedido, comecei a me sentir mal do estômago. Quando chegou o prato, nem consegui comer. Daí para frente, foram três dias de mal estar sem vontade de comer muito, muita água de coco e sem vontade de tomar café! Mas até aí, tudo bem, pois quando isso acontece, meu corpo realmente costuma pedir um tempo de comidas e bebidas fortes. Só que os dias se passaram, eu melhorei e a vontade de tomar café não voltou.

“Que estranho! Será o meu sonho se manifestando inconscientemente? Será que o plano espiritual está me dando uma força para o que eu preciso fazer?” Resolvi entrar na brincadeira e experimentar a nova fase. Café à minha volta, me tentando aqui e ali, e eu simplesmente sem vontade. Uma situação totalmente nova. O chá verde virou meu grande companheiro. Interessante, curioso e divertido, até que começou a ficar esquisito, pois mais de um mês se passou e a vontade não voltou. Minha mente então começou a questionar: “Como assim? E aquele ritual gostoso da manhã com a sua xícara de café que você tanto honrava? E o encontro com amigos para tomar “aquele” café? E as conversas divertidas com seus simpatizantes? Não vão mais acontecer? Nunca mais??”. Meu ego começou a ficar inquieto, afinal não tomar mais café significa, para ele, perder uma certa identidade que faz parte de uma ideia, de um estilo, de um movimento, de certos momentos, grupos e lugares.

Se vou continuar o resto da vida sem tomar café, se ele faz bem ou não, não é a questão aqui. Mas sim percebermos o quanto de nossos pensamentos e ações estão vinculadas à uma ilusão, à necessidade de uma confirmação, a um ser confuso e não à conexão com o nosso verdadeiro Eu.

Isso me lembra o que escutei uma vez do Luís Falcão, um professor sul-africano de Um Curso em Milagres. Ele às vezes pergunta às pessoas se elas escolheriam a plenitude total, o Mundo Real, o despertar completo, o puro Amor com a condição de se esquecerem totalmente de suas identidades passadas. Interessante essa colocação. O quanto falamos desse estado, almejamos chegar lá, idolatramos aqueles que o vivem mas, ao mesmo tempo, não estamos prontos para nos desapegar da nossa personalidade e da realidade que percebemos e damos tanta importância? Como seria nos desvincularmos delas, não parcialmente, mas totalmente? Não estou sugerindo que você faça isso, mas quem sabe começar esse caminho questionando aquelas crenças, imagens e apegos que você acredita que não pode viver sem?

CÁTIA VASCONCELOS – Coidealizadora e Master Trainer Miracle Choice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *