Onde se esconde a felicidade?
por Juliana Kurokawa


Nossa busca por felicidade começa desde muito cedo. Desde o momento em que nascemos, a impressão é que sempre existe alguma etapa a ser cumprida para que possamos nos considerar pessoas felizes e realizadas. O que não percebemos é que essa é uma grande armadilha que nos leva cada vez mais longe da verdade do que realmente somos. Se formos bem atentos e sinceros conosco mesmos, perceberemos que toda a nossa busca se dirige a algo que está do lado de fora e, nesse contexto, é quase impossível ser feliz, já que a realização de cada etapa parece depender não só de nossa vontade, mas sim das condições externas às quais somos expostos e à vontade de outras pessoas; e essas fogem totalmente ao nosso controle.

Tão logo nascemos, iniciamos a corrida para encontrar a felicidade. Conforme crescemos, muitas etapas a serem cumpridas vão surgindo, como aprender a andar, a falar, a se comunicar, etc, e, com elas, a impressão que se tem é que a felicidade fica cada vez mais longe, pois nossa mente começa a se povoar com cada vez mais preocupações.

Na adolescência, os problemas parecem crescer. Começamos a dar cada vez mais importância à nossa autoimagem e acreditamos que o que somos está intrinsicamente ligado ao que os outros pensam sobre nós.

Na idade adulta, muitas vezes, já conseguimos derrubar alguns aspectos da insegurança e até conseguimos nos livrar de alguns traumas adquiridos na infância. E, de acordo com os valores da sociedade, ainda há muito o que ser atingido para que possamos nos considerar pessoas felizes: devemos escolher uma profissão, receber a formação necessária para tal, ser financeiramente estável, conhecer uma pessoa, nos casarmos com ela, ter filhos. Depois dos filhos, temos que ser capazes de educa-los, nutri-los, até que estes atinjam a idade adulta e possam cuidar de si. Depois, temos que garantir uma aposentadoria segura e tranquila. E, assim, talvez um dia consigamos chegar à essa tal felicidade de que tantos falam. E quando depois de cumpridas todas essas etapas, a sensação de vazio ainda permanecer?

Estamos tão concentrados e soterrados naquilo que julgamos necessário para que sejamos felizes, que esquecemos de buscar no único lugar onde é possível encontra-la: no presente. Acabamos por nos tornar prisioneiros de nós mesmos, de nossas expectativas, de nossas buscas. Nos preocupamos tanto com onde queremos chegar, que esquecemos de olhar para o lugar onde já estamos. É como observar os cachorros que giram e correm atrás do seu próprio rabo, sem perceberem que perseguem algo que já lhes pertence.

Todas as etapas que estabelecemos para nós mesmos só nos dão a falsa impressão de que o pote de ouro está sempre do outro lado do arco-íris, mas estamos sentados bem em cima dele e o que estamos projetando como possível fonte de nossa felicidade nada mais é do que um retrato deturpado de algo que já possuímos!

Nossos desejos partem do princípio de que somos essa personalidade física e, por isso, ao realiza-los, eles apenas satisfazem essa parte de nós. Quanto mais nos conscientizamos de nossa realidade como espíritos, podemos conquistar aquilo que alimente nosso ser real. E como podemos fazer isso?

Foi pensando em toda essa busca e essas inquietações humanas que preparamos um webinar para vocês, onde traremos mais clareza para que você consiga ferramentas úteis para alcançar a tão esperada felicidade!
.
JULIANA KUROKAWA – Facilitadora Certificada Miracle Choice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *