Fiquei chocado no ano passado quando encontrei um velho amigo de escola. Ele me disse que se lembrava de mim como alguém muito ambicioso, altamente motivado e em busca de realizações. Eu respondi: “Sério?” Fiquei um pouco horrorizado com a lembrança do meu impulso para realização e essa imagem inundou a minha mente de novo. Tudo parecia muito auto-centrado, focado em mim e no que eu queria e, sem dúvida, eu enxergava as circunstâncias e os outros apenas pensando em como eles me beneficiariam.

Todos conhecemos o desconforto do sentimento de separação que vem de fazer as coisas apenas para nós mesmos. Por outro lado, o sentimento que vem de fazer coisas para os outros, para familiares, amigos, clientes e vizinhos também não é completamente confortável. Ainda são minha família, meus amigos, meus vizinhos. Um indivíduo separado ainda está envolvido na ação. Um eu que se sente incompleto e está realmente usando os outros e as coisas para se sentir melhor. No entanto, alguém que vê sua identidade como limitada a um corpo conseguiria agir além de um senso de falta?

Qual é a alternativa?

Agir a partir de um estado onde você sabe que está conectado a outras pessoas e circunstâncias?
Simplesmente estar presente para o que é necessário no momento?
Responder a tudo como o verdadeiro Ser amoroso que você é?

Um Curso de Amor diz que a única coisa que pode ser realizada é você mesmo:

“Tu, que queres realizar muito bem no mundo, entende que o único que pode ser realizado és tu.” P.13
“Tudo o que desejas e não podes aprender já está realizado. Está realizado em ti. É o que és.” C3.2

“Como O Realizado, és capaz agora de acessar a mente universal. A alegria que te produzirão os pensamentos de uma mente unida será inigualável em tua experiência aqui.” T1.9-10

Então, se você olhar para o ano à sua frente e pensar em realizar algo, lembre-se: apenas você pode ser realizado.

James Kelly – Criador do Jogo Miracle Choice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *