Tenho um vaso de boldo na varanda do apartamento.
Desde que foi plantado, ele cresce firme e forte, mas aparentemente é apenas um pé de boldo, e sua única função é dar alívio aos excessos na alimentação. Foi plantado com este intuito em meio a tantos outros vasos ornamentais, que brilham ao seu lado.

Pensei em fazer uma tosa, pois ele cresceu mais do que eu esperava e, por se tratar de uma planta não ornamental, pelos padrões preestabelecidos, estava em desarmonia com o restante do ambiente. Porém, de onde menos se espera, a beleza aparece!

Hoje quando fui regar as plantas, me surpreendi com um ramo de flores lilás, bem proeminente no pé de boldo.
Fiquei maravilhada, pois não sabia que boldo gera flores.

Observando bem o conjunto dos vasos, percebi que neste momento, a planta desinteressante é a única que está florida.
O mais legal de tudo foi compreender que a beleza sempre esteve ali, mas eu nunca havia percebido…

Esta observação me trouxe um insight sobre a nossa própria essência: quantas vezes deixamos de observar aquilo que temos de melhor, nos depreciando, comparando, quando tudo aquilo que temos a oferecer está apenas esperando ser reconhecido e relembrado? Quantas “flores” lindas estamos prontos para gerar, mas em meio a tanta distração, não permitimos que o melhor em nós desabroche?

E mais: O reconhecimento do melhor em nós ainda contribui para o reconhecimento do melhor em tudo o que existe, inclusive no pezinho de boldo. Essa linda planta, o boldo, só estava esperando o momento certo para cumprir o seu propósito e enfeitar a varanda ao lado das outras plantas ornamentais, formando juntas um belo cenário.

CRISTINA LODDI – Facilitadora Certificada Miracle Choice

VÍDEO – O que os olhos não vêem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *