Responder às situações com medo ou amor tem consequências tão opostas quanto o dia e a noite. Uma viagem recente com o meu filho adolescente, Yuri, é um bom exemplo disso.

Chegamos no aeroporto de Edimburgo depois de uma divertida e agitada viagem de três dias à Itália e à Eslovênia. Ainda teríamos uma viagem de 3,5 horas para chegarmos de volta em casa no nordeste da Escócia. Decidimos fazer uma rápida visita à IKEA (grande rede varejista de móveis) de Edimburgo para comprar uma mesa para o quarto do Yuri e algumas outras coisas. O local ficava a 30 minutos do aeroporto na direção oposta à nossa casa.

Quando partimos para a IKEA, a voz do GPS informava que o trânsito estava mais pesado do que o habitual. Isso ficou óbvio para nós quando nos deparamos as filas de tráfego lento. Eu estava começando a me sentir desconfortável e um pouco estressado. Levaria mais tempo do que eu esperava. Chegamos à IKEA e, depois de um breve almoço, começamos a fazer compras o mais rápido possível. Meu nível de estresse foi aumentando, mas meu filho Yuri estava apenas desfrutando de uma nova experiência.

Com as compras finalizadas e de volta ao carro, a sensação de peso no estômago estava piorando. Eu comi um pouco de chocolate que peguei no caixa e continuei dirigindo. Quanto tempo levaria para chegar em casa, considerando o trânsito, em uma tarde de sexta-feira?

No caminho, ao seguir as instruções do GPS, acabamos duas vezes presos no trânsito. Depois de amaldiçoar o GPS (que nunca tinha errado antes), decidi seguir minha própria rota e, ao menos, consegui nos tirar da área de Edimburgo em uma direção para o norte. Mas não estávamos livres ainda. Um acidente que tinha acontecido mais adiante causou um grande aumento do tráfego.

Paramos ou nos arrastamos por mais de uma hora. Talvez o GPS estivesse tentando nos levar por uma rota mais rápida no final das contas?

No dia seguinte, acordei com uma dor de garganta que levou uma semana inteira para desaparecer. Se eu tivesse parado em qualquer momento no carro ou e tivesse respondido com amor aos meus sentimentos, o resultado da viagem de volta e minha saúde na
semana seguinte poderiam ter sido diferentes. Quem sabe?

Um Curso de Amor (UCDA) nos diz claramente:
“O medo não é um sentimento, mas a resposta a um sentimento. As emoções são respostas. Foi dito a ti que existem apenas duas emoções: amor e medo. O que isso realmente quer dizer é que só existem duas maneiras de responder àquilo que sentes: com amor ou com medo”
UCDA D:DIA16.10

Acho isso muito útil. Amor e medo são respostas. Quando escolho o medo ou o amor, estou escolhendo como responder aos meus sentimentos.

Não gosto muito diferenciar palavras que são consideradas “sentimentos” e outras que são consideradas “emoções”. Basta fazer uma pesquisa online e você rapidamente se confundirá tentando fazer distinções úteis. Fico simplesmente feliz em ter a percepção de que o medo e o amor são respostas, e só temos duas respostas possíveis. Isso não é muito simples?

Como é uma resposta de amor ou de medo aos sentimentos? Um Curso de Amor continua, no mesmo paragrafo acima, dizendo:
“Se respondes com medo, expulsas, projetas e separas. Se respondes com amor, permaneces inteiro. Reconheces que não tens sentimentos que sejam ruins. Abraças a tristeza, a dor, a raiva e tudo mais que sentes porque esses sentimentos são parte de quem tu és no momento presente”

Primeiro é muito útil saber que não há sentimentos ruins. Deixe que essa informação realmente entre em você. Tristeza, raiva e frustração não são ruins. A ideia de abraçar os sentimentos que antes rotulávamos como negativos ou desconfortáveis ​​parece mais um desafio. Talvez se trate de NÃO fazer algo. NÃO tentar fazer com que os sentimentos “ruins” desapareçam. Muitas palavras diferentes são usadas para descrever o que fazemos com sentimentos indesejados. Negação ou distração (permanecer ocupado) são as minhas formas favoritas de rejeitar
sentimentos. Essa resposta geralmente tem um efeito negativo no meu corpo.

Algumas pessoas preferem expulsar ou projetar seus sentimentos nos outros ou no mundo em geral, com vários resultados negativos por culpar os outros ou criar todo tipo de drama.

Uma outra informação essencial que UCDA nos ensina é que nunca podemos nos livrar de sentimentos, nunca. Pensamos que conseguimos nos livrar deles, expulsando-os de nossa consciência para um mundo físico, mas eles reaparecem como doenças, acidentes ou algum tipo de crise. Não podemos escapar dos sentimentos.

Lembre-se de que, quando você escolhe o amor, está escolhendo abraçar seus sentimentos e aceitar toda a dor, o prazer, o desconforto e a leveza que estão acontecendo no momento presente. O resultado é a harmonia.

Responder com medo aos sentimentos causa problemas de trânsito e dores de garganta? Vou deixar que você mesmo responda a essa pergunta. O que sei de outras situações é que reagir com amor aos sentimentos traz harmonia ao corpo e à mente.

Caso você esteja se perguntando como ele lidou com a situação de observar seu pai tendo um momento de resposta de medo, pedi desculpas ao Yuri depois do acontecido. Como de costume, ele foi um anjo, apenas observando tudo acontecer.

Por James Kelly, criador do jogo Miracle Choice
Tradução: Juliana Kurokawa
Miracle Choice Brasil

PS – Você tem interesse em se tornar um guia do jogo de bolso? Estamos formando novas turmas, online e presencial. Clique AQUI para mais informações ou em RESPONDER neste e-mail.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *