A memória é sempre útil. Sem memória, relacionar-se seria impossível. Sem memória, não saberíamos para que serve uma xícara, e tampouco reconheceríamos quem mora conosco em nossa casa!
O problema é que usamos a memória para relacionamentos limitados: para nos lembrarmos de especificidades e detalhes sobre coisas separadas, para nos lembrarmos de quem nos decepcionou no passado, que o mundo é injusto e que, por isso, precisamos nos proteger.

Se você não tivesse memória, fosse até a sua cozinha e encontrasse uma vasilha redonda com um buraco no meio, talvez você descobrisse que poderia usá-la para guardar líquidos, e que isso facilitaria o ato de beber. Como não temos essa experiência, a menos que tenhamos um distúrbio de memória, usamos a memória a todo momento para construir relacionamentos. Sem memória, relacionamentos não podem acontecer, nem mesmo relacionamentos com objetos. Então, que tipo de experiência de relacionamento estou escolhendo ter?

Todos nós já experimentamos o fato de que a memória é uma escolha. Quando você está com amigos da família e relembra um evento que vocês compartilharam, é possível que você tenha notado que muitas vezes cada pessoa se lembra de uma versão ligeiramente diferente do mesmo evento. Nós escolhemos nos lembrar dos eventos de maneira diferente. Mas e se todos nos lembrássemos do mesmo evento com amor? Então estaríamos usando a memória divina para olhar o passado.

Existe uma memória divina que podemos escolher. Uma memória divina que todos compartilhamos. Se todas as pessoas envolvidas em um evento compartilhado se lembrarem com amor, todos experimentarão amor no momento presente. Numa memória presente amorosa, não há conflito passado.

Tanto Um Curso de Amor (ainda não disponível em português) e Um Curso em Milagres dizem que a memória acontece no presente e que a percepção pode se tornar uma lembrança presente do amor divino.

A memória, ou como você se relaciona com experiências passadas, é o que torna cada indivíduo único. Uma família pode compartilhar muitas experiências semelhantes sem se relacionar com elas da mesma maneira. A maneira como nos relacionamos com a experiência – através da memória –molda as diferentes personalidades, caminhos e, portanto, experiências futuras de cada um de vocês.

O que acontece, então, quando memórias de experiências passadas são revisitadas sob o arco todo abrangente de uma nova forma de pensamento? As diferentes personalidades se tornam uma só, os diferentes caminhos se tornam um só, as experiências futuras se tornam uma só. E, nessa unicidade, a paz dura para sempre. Quando essa unicidade é realizada, as memórias divinas chegam para substituir a percepção. Essa é a mentalidade milagrosa. A realização desse estado de ser é a razão pela qual estás aqui. É o teu retorno ao teu Ser. Um Curso de Amor T 1. 6.7-6.9

Estás habituado há tanto tempo a acreditar que a memória guarda apenas o que é passado, que é difícil para ti compreender que ela é uma habilidade capaz de lembrar o agora. Um Curso em Milagres T-28.I.4:3

James Kelly – Criador do Jogo Miracle Choice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *