É sempre muito fascinante e rico para mim discutir sobre a escolha interior: onde ela surge, como ela afeta o resto de nossas escolhas e de nossas vidas, como podemos moldá-la e torná-la mais amorosa (ou não), sua simplicidade e, ao mesmo tempo, sua força incrível.

Recentemente voltei de mais um treinamento para facilitadores do jogo e, como não poderia deixar de ser, com novos aprendizados para mim mesma. O esclarecimento de que estamos falando da escolha de pensamento e não da escolha da forma (algo fora de nós, como o que escolhemos falar, fazer, vestir, etc.) é sempre o ponto de partida para o restante dos dias. E muito, muito importante, pois esse é o ponto básico para a compreensão de como podemos alcançar nosso verdadeiro empoderamento.

Mesmo assim, mesmo sendo algo que vejo e vivencio como muito simples (veja bem, não quero dizer fácil), todo treinamento é um novo presente para que eu perceba a sutileza com a qual essa nova possibilidade penetra e amadurece em cada um. Não existe certo ou errado, mas a perfeição de cada um no seu próprio entendimento, no seu próprio tempo, na sua própria abertura. A teoria é interessante e ajuda, mas não é necessário “entender”. No final, o que realmente conta é o silêncio interno, onde tudo que foi dito e explorado é simplesmente sentido. Um sentimento de leveza, de paz, de amor. E isso é lindo de presenciar. Não em palavras, mas nas expressões que revelam uma percepção diferente da de antes, de que a “ficha que caiu”: um suspiro profundo, um sorriso que se abre, um novo brilho nos olhos, a fronte que relaxa.

Os trechos a seguir são do livro A Course of Love (Um Curso de Amor)* e, para mim, resumem lindamente essa experiência:

“Tu não és forma, e teu mundo real tampouco o é. (…) Ver verdadeiramente é começar a ver o que não tem forma. Começar a ver o que não tem forma é começar a compreender o que és. (…) Fecha os olhos a tudo que estás acostumado a ver. E verás a luz. O amor é a luz em que a forma desaparece, e tudo que existe, é visto como é.”

Acredito que essa seja a verdadeira compreensão da escolha interior, no seu mais profundo significado. Aqui, não são as palavras que explicam ou justificam, mas a pura e simples conexão com o seu espaço sagrado, o seu mundo real.

*A Course of Love (Um Curso de Amor) é uma sequência de Um Curso em Milagres, e foi originalmente recebido e escrito em inglês por Mari Perron. O livro está sendo traduzido oficialmente para a língua portuguesa por Juliana Kurokawa, que generosamente ofereceu os trechos acima para este texto.

CATIA VASCONCELOS – Coidealizadora e Master Trainer Miracle Choice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *