Foi Um Curso em Milagres que me levou até o Miracle Choice. Naquelas linhas metafóricas eu tateava, tentando me entender naquilo tudo. Amor e Medo, Mundo Real, Ego, Intuição, Verdade, Escolhas, Aceitação. Uau! Altos mergulhos.

Faz tempo que trabalho meu amor próprio, desde que descobri que, de verdade, eu não sabia bem o que era isso. Eu não sabia que me amar passava por me priorizar. Como assim? Priorizar a mim mesma? Quanto egoísmo.

Era assim que eu pensava, era assim que eu sentia: que eu precisava ser pura entrega, desde que fosse para fora de mim, e isso me bloqueava.

Não sei precisar quando foi que comecei a vislumbrar uma nova possibilidade de perceber o amor. Terapias, conversas profundas, um longo caminho, mas lembro da abertura que tive jogando o Miracle Choice de Bolso, sozinha no meu quarto, durante uma profunda crise existencial, onde eu me encontrava num lugar solitário, frio, escuro e sem saída. Aquelas cartas coloridas com mensagens cirúrgicas me arrancaram suspiros, lágrimas e também sorrisos. Algumas coisas começaram a fazer sentido, percebi verdades duras sobre as escolhas que estava fazendo.

De lá para cá, muitas coisas mudaram na minha vida, gerei energia para fazer o que precisava ser feito, para sair daquele lugar que me coloquei, para criar aquilo que de fato fazia sentido para o meu Ser.

Foi lindo meu percurso até aqui, e ele continua. Não acaba, e isso é mágico. Descobrir que não há de fato um lugar para chegar choca e também liberta. O lance para mim é viver um agora de cada vez, conectada com a minha sabedoria interna quando possível, e quando não der, tudo bem também. Só de estar consciente de que tenho momentos de desconexão e saber quais são esses momentos sem querer sair correndo para consertar, já é uma grande evolução para mim. Não há o que ser consertado.

Às vezes sinto tanta alegria que parece que vou explodir. Imagino que seja o tal “contentamento”. Só vejo amor em tudo e todos, as pessoas colam em mim, tudo flui de forma intensa e leve. De repente, começam a vir uns pensamentos: “Rafa, você vive numa bolha, essa não é a realidade, as pessoas estão sofrendo, você não pode ficar feliz por tanto tempo!”

Começa a vir uma sensação de inadequação e aí os pensamentos se voltam para os desafios atuais que enfrento, as incertezas. Tomo um fôlego para acolher essa confusão. Às vezes caio em lágrimas e outras vezes, começo a rir, com uma certeza analgésica de que está tudo perfeito. E então decido continuar. Dando meu melhor a cada instante, acolhendo a montanha russa de sensações. Avaliando como estou me sentindo.

E então percebo que comecei a me amar de verdade, com todos os aspectos que me fazem ser quem Sou, que me trouxeram até aqui. Amar é aceitar, mesmo sem concordar. É confiar, se divertir, observar os caminhos, as armadilhas. É se permitir sentir, é se permitir Ser.

Um Curso em Milagres diz na lição 45: “Tua tarefa não é buscar o amor, mas meramente buscar e encontrar todas as barreiras que construíste contra ele”.

É nesse desaprender que eu tenho colocado minha energia. Parei de buscar o amor, porque o amor já é!!! Agora vou lidando a cada dia com as camadas de crenças que me separam do amor. E meu percurso passa por me aceitar e me amar, incondicionalmente. Quando sirvo a mim mesma, passo a servir ao mundo com uma presença inexplicável. Uma sensação de integridade. Uma gratidão por saber que posso voltar a esse lugar, mesmo escolhendo me desconectar às vezes. Eu posso voltar. Sempre podemos voltar para casa!

RAFAELA PIMPÃO – Facilitadora Certificada Miracle Choice

*PS – Nessa sexta, dia 06/04, inicio uma turma de guias do jogo de bolso online e será uma horna ter você nessa jornada de volta pra casa. Fale comigo: coachrafaelapimpao@gmail.com

VÍDEO – Desaprendendo para amar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *